A atuação de falsos médicos em cidades da região de Sorocaba motivou novas apreensões de documentos nesta manhã. Policiais civis iniciaram uma operação para o cumprimento de mandados de busca e apreensão em Sorocaba, São Roque e Mairinque.

Em Sorocaba, as apreensões foram realizadas sob a coordenação da delegada Simona Ricci, no Instituto Ciências da Vida (ICV), em um edifício na avenida Antonio Carlos Comitre, no Campolim, e em um local no Centro, que não foi divulgado. Este Instituto, assim como a empresa INNOVAA, também estaria ligado com o caso e seria responsável pelas contratações em Mairinque.

As apreensões também foram iniciadas em dois locais de São Roque, com orientação da delegada Fernanda Ueda. Depois das apreensões em Sorocaba, a delegada Simona Ricci seguiu para novas buscas em Mairinque.

A operação Placebo, que investiga o atendimento médico prestado por falsários que usavam identidade de outras pessoas, já identificou seis envolvidos. Duas já foram presas. Todos são acusados de falsidade ideológica e exercício ilegal da profissão. Eventuais responsabilidades sobre mortes de pacientes ocorridas no período de atuação dos suspeitos serão apuradas.

 

O esquema 

O esquema começou a ser descoberto no dia 13 de julho. Uma mulher que realizava plantões médicos na região usava o registro do Cremesp com o nome de uma profissional habilitada. Ela foi descoberta por funcionários do Pronto-Atendimento (PA) de Alumínio. Por se ausentar da unidade em horário de serviço, responsáveis pelo PA acessaram o site do Cremesp para saber quais medidas poderiam tomar. Ao pesquisar pelo número do CRM, se depararam com uma foto na qual aparecia o rosto de outra pessoa – com o mesmo nome. A acusada estaria hospedada em um hotel, na cidade de Mairinque, e não foi mais encontrada.

A Polícia Civil encontrou mais dois suspeitos, que foram presos em São Roque, no dia 16. Eles assumiram as identidades de outros médicos. Eles contaram que formaram-se na Bolívia, mas que não foram aprovados no Sistema de Revalidação de Diplomas Médicos no Brasil, o Revalida. Outros dois também foram identificados depois. Um estaria morto e o outro, foragido.

 

Fonte – Jornal Cruzeiro do Sul – Sorocaba