in , , ,

Estado de SP iniciará abertura gradual do comércio em 11 de maio

Mais detalhes serão anunciados só no dia 08 de maio, mas secretaria adiantou que deve priorizar atividade imobiliária, construção, turismo e cultura

Regiões do estado serão divididas em nível de risco e abertura deverá ser feita de forma regionalizada. Foto: divulgação

 

23/04/2020 – O governador de São Paulo, João Doria, anunciou na quarta-feira (22) a reabertura gradual dos setores produtivos do estado, que começará a ser implementada a partir do dia 11 de maio, quando se encerra o período de quarentena. O plano para reabertura foi chamado de Plano São Paulo.

A quarentena está em vigor no estado desde o dia 24 de março e, com ela, somente os setores considerados essenciais – como abastecimento, logística, segurança e saúde – podem funcionar.

Os setores que vão voltar a funcionar a partir do dia 11 de maio não foram informados pelo governo paulista. Esse anúncio, segundo o governador, será feito somente no dia 8 de maio. Para ajudar a elaborar o plano, o governador montou uma equipe, formada por diversos economistas do país, tal como Persio Árida.

Segundo a secretária de Desenvolvimento Social, Patricia Ellen, os critérios que serão utilizados para essa retomada vão considerar a preparação do sistema de saúde, da sociedade e dos setores econômicos. “Queremos atender os setores com maior vulnerabilidade econômica. Então vamos priorizar setores que têm maior vulnerabilidade e menor risco do ponto de vista do enfrentamento da pandemia para que eles sejam retomados e acolhidos mais rapidamente”, disse a secretária.

Em entrevista ao jornal Bom Dia São Paulo nesta quinta-feira (23), a secretária citou alguns setores considerados mais vulneráveis: “o comércio, a atividade imobiliária, construção, toda parte de turismo, cultura, economia criativa. Então, essa é a primeira lista como exemplo que a gente sabe que são setores mais impactados e que precisam de uma atuação emergencial mais focada”.

Reabertura regionalizada

A abertura, segundo Patrícia, será feita de forma regionalizada, observando a ocupação dos leitos nos municípios do estado. Ela acrescentou ainda que, para que a reabertura seja feita, será fundamental a testagem em massa no estado. “Isso [a testagem em massa] foi feito em diversos países do mundo e assim faremos em São Paulo”, disse.

As regiões do estado, segundo a secretária, serão divididas em nível de risco: zona vermelha [maior risco], zona amarela e zona verde [de menor risco]. “Vamos segmentar os municípios de acordo com a situação da pandemia e capacidade do sistema de saúde. (…) Para estar na zona verde, precisamos alcançar baixo número de casos, baixa ocupação de leitos de UTI, testes disponíveis para assintomáticos e suspeitos e protocolos setoriais implementados”, explicou.

Doria ressaltou que a reabertura vai se basear na disseminação do coronavírus no estado, na situação do sistema de saúde e no distanciamento social. E, de acordo com ele, a reabertura não significa que não haverá quarentena.

“Vamos levar em conta sim situações locais, regionais e setores que possam retornar a economia com as devidas medidas de proteção. (…) Os critérios da nova quarentena, daquilo que virá a partir do dia 11, serão diferenciados e de acordo com os dados científicos apurados em cada cidade e pelas regiões do estado de São Paulo”, ressaltou o governador.

Nesta quinta-feira (23), Doria ressaltou que o isolamento social no estado de São Paulo voltou a cair, atingindo um nível de 48% na quarta (22). O nível considerado ideal pelo governo paulista é de 70%.

“Isso é grave, acendendo o sinal amarelo. Não podemos baixar de 50%”, disse o governador, em entrevista sobre a pandemia, concedida diariamente no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

Se a taxa de isolamento se mantiver baixa, bem abaixo do esperado pelo governo, Doria disse que pode rever a decisão de relaxar as medidas de quarentena em todo o estado, prevista para ter início a partir do dia 11 de maio. “Para cidades que não tiverem respondendo adequadamente, teremos outro comportamento [de não relaxar as medidas]”, disse Doria.

Preparação

Segundo Doria, 74% do estado continua em funcionamento.

“São Paulo não parou. Praticamente 74% da economia paulista funciona desde o primeiro dia da quarentena decretada no mês passado. Segundo: a quarentena permitiu ao estado de São Paulo a preparação da rede de saúde. Não fosse esse tempo e não fosse essa preparação, hoje o lugar comum de São Paulo seria como a de outras capitais do Brasil que estão sofrendo com mais de 100% de ocupação dos leitos”, disse Rodrigo Garcia, vice-governador e secretário de governo.

“Em São Paulo nunca houve lockdown, que foi necessário em alguns países do mundo. Isso porque adotamos aqui as medidas certas, na hora certa, no momento correto e amparados pela ciência e pela medicina. Os bons resultados obtidos em São Paulo até aqui, com apoio da população, permitiram que pudéssemos passar uma quarentena com um bom resultado”, disse Doria.

Isolamento

Até o dia 10 de maio, reforçou o governador, é fundamental que as pessoas continuem mantendo o isolamento social. Por isso, Doria fez um apelo para que prefeitos do estado paulista continuem mantendo o isolamento até lá e aguardem o Plano São Paulo para definir como será a retomada. “Não é prudente que nenhuma cidade do interior de SP rompa a quarentena antes do dia 10 de maio”, disse ele.

Uso de máscaras

O governador informou que será publicado um decreto na sexta-feira (24), em Diário Oficial, recomendando o uso de máscaras em todo o estado como forma de diminuir a disseminação do vírus. A medida valerá para todos os 645 municípios paulistas. Segundo ele, a máscara deve ser utilizada por todas as pessoas que precisarem sair de casa. “Isto não tira a recomendação de ficar em casa. Mas, se tiver que ir à farmácia ou ao supermercado, vá de máscara. E pode usar as máscaras de pano”, disse Doria.

 

Fonte: Agência Brasil

Com informações de portal G1

O que você achou?

Escrito por CidadeSorocaba

Como será o mundo pós-coronavírus?

Sorocaba prorroga quarentena e intensifica fiscalização